Buscar
  • fredericopereira191

Como organizar nossa carteira de ações?


Como organizar nossa carteira de ações? Uma dica!

Um dos principais desafios dos investidores que querem ser sócios de empresas prósperas e lucrativas é organizar uma carteira com várias ações.


Pode acontecer do investidor concentrar muito em poucas ações, o que aumenta bastante o risco médio da carteira e o deixa de fora de outras oportunidades.


Mas também tem aquele investidor que pulveriza demais a carteira, fazendo com que os ganhos sejam parcos, talvez fosse melhor ele comprar um índice, um ETF ou um fundo de ações.


Já vi casos em que o investidor tenta diversificar, mas acaba comprando ações de empresas que são concorrentes diretas, concentrando em um setor da economia. E casos em que o investidor deixa de fora algum setor que está em um bom momento de compra.


Enfim, vamos aprender como contar nossa carteira de ações nesse texto. Mas antes, deixa eu te oferecer meu livro, que te prepara para ser um investidor inteligente. Clique na imagem abaixo para conhece-lo.



Como nossa carteira de ações deve ser dividida?


Eu divido as ações em 3 tipos, atribuo um percentual da carteira para cada tipo e limito a quantidade mínima e máxima de ações por cada tipo, da seguinte forma:


- 3 a 6 ações de dividendos somando 45% da carteira;

- 4 a 8 ações de crescimento somando 35 a 40% da carteira;

- 3 a 6 ações de especulação somando entre 15 e 20% da carteira.


Então a carteira deve ter entre 10 e 20 ações, nem mais nem menos. Nem muito concentrada em poucas ações, nem muito diversificada que não aproveitemos as altas dos preços.


É importante não comprar ações do mesmo setor ou segmento da economia, e se o fizer, que somadas tenham a representação de uma. É interessante que as empresas de cada tipo tenham o mesmo peso, por exemplo, se forem 3 de dividendos, que cada uma tenha 15%.


Vejamos agora como classificar as ações por tipo e como procurar as melhores.


Ações de dividendos


São as ações que pagam os melhores dividendos. Segue duas ideias para você identifica-las facilmente:


1 – Pesquise no Google por artigos sobre “as melhores ações pagadoras de dividendos (pro ano)”, logo na primeira página você terá diversos artigos com listas desse tipo de ação, peque essas listas e cruze, você verá que algumas ações estão em várias listas.


2 – Acesse apps como o “Trader Map” ou outros, ou acompanhe as carteira de bons fundos de ações para dividendos, você saberá quais as ações que os gestores estão comprando com esse intuito, olhe vários fundos.


Essas duas ideias vão te poupar bastante tempo na busca pelas melhores ações para dividendos, depois que fizer essas pesquisas, você pode analisar as melhores, atente-se principalmente para os seguintes pontos:


- preço: você não quer pagar muito caro pela ação, então olhe o P/VP e o P/L, pelo menos, lembre que essas ações não tem grandes perspectivas de crescimento, então não vale a pena pagar um múltiplo muito alto;


- previsibilidade de resultados: o melhor é que a empresa tenha contratos de longo prazo para fornecimento de algum produto ou serviço e, melhor ainda, que trabalhe para aumentar as margens de lucro em cima desse contrato, mas na ausência disso, empresas que tenham uma posição muito forte em seus mercados;


Com isso você pode escolher entre 3 e 6 empresas que sejam boas para a sua carteira de ações e nas quais você tenha confiança. Vamos ao próximo tipo.


Ações de crescimento


Ações que tenham essa expectativa, de crescimento dos negócios no futuro.

São ações de empresas que estejam negociando a preços baixos por razões de mercado, mas que a empresa não esteja passando por dificuldades ou não seja problemática.

Em outras palavras, são empresas prósperas e lucrativas que estão sendo precificadas abaixo do seu valor, não são empresas problemáticas que passaram ou continuam passando por dificuldade dentro do negócio.


Essa precificação depreciada pode acontecer por vários motivos, vejamos alguns mais frequentes:


- empresas que tem uma commodities como sua principal fonte de receita ou como principal gasto, como a Vale com o minério e a Gol com o petróleo, respectivamente, pode acontecer do preço da commodities cair ou subir demais, gerando uma precificação errada no preço da ação, ou seja, a empresa é boa, eficiente e bem administrada, mas uma condição de mercado gera essa oportunidade;


- empresas que apresentam uma mudança de perspectiva para o futuro, seja uma privatização (ou expectativa disso), um novo produto ou um novo investimento, que promovam uma expectativa de melhora significativa nos negócios, sendo que você acredita que isso vai acontecer, sendo que a empresa já é lucrativa, mas pode ser mais ainda;


- empresas que estejam negociando a um preço baixo por causa de um cenário macroeconômico ruim no momento, mas que pode mudar nos próximos meses ou ano, isso acontece geralmente quando o país passa por uma crise econômica e algum setor é muito prejudicado, isso faz com o preço da ação caia bastante, mesmo a empresa sendo boa e continue reduzindo seus custos e vencendo as adversidades.


Entre outros cenários, sendo que cada um vale um livro ou, pelo menos, um texto bem grande para esclarecer. Mas para não te deixar sem alguma explicação mais objetiva, procure pelo seguinte:


- procure analisar os resultados da empresa nos últimos anos, ela pode até ter passado por dificuldades, mas continuou sendo uma empresa importante no setor em que atua;


- procure por preços bem abaixo da média dos últimos anos, preços mais baixos do que seus pares, olhe o P/VP, o P/L e os compare com empresas semelhantes;


- procure ler relatórios sobre as empresas em sites de notícias e de gestoras de investimento, você precisa entender a proposta da empresa para o cenário vindouro;


- leia os relatórios da empresa e, se preciso, entre em contato com o RI, é bom que a empresa seja bem transparente.


É isso, vamos para o próximo.


Ações para especulação


A última ação de especulação que teve grande subida foi a do Banco Pan, quem acompanha o blog sabe disso!

São ações de empresas que passaram por sérios problemas ou ainda estão com problemas, mas que o preço está tão baixo que foge do que seria o bom senso. Às vezes elas promovem alguma ação que pode mudar a realidade problemática ou uma mudança de perspectiva faz com que o preço seja ainda mais irracional.


Costumo buscar pelas seguintes características para identificar essas oportunidades:


· P/VP (preco/valorpatrimonial) muito baixo, abaixo de 1 já vale a análise mais de perto;


· P/L (preço/lucro) muito baixo, abaixo de 10 já vale a análise mais de perto;


· Caixa líquido maior ou semelhante ao valor de mercado;


· Se a empresa tiver preço baixo (critérios anteriores) e for rentável, ROE positivo e “estável", me interesso muito;


· Se tiver uma “história" que justifique as negociações depreciadas, algo que faça sentido e, principalmente, que implique em uma avaliação errada da maioria, melhor ainda;


· Se for uma ação que grandes fundos não tem acesso por conta da liquidez, melhor, pois pode haver mais valorização na subida;


Essas características não se excluem, nem são pré-requisitos, quanto mais delas forem atendidas, melhor.


Perceba que a denominação “especulação” não é à tôa, a compra dessas ações incorre em um risco muito maior do que o resto da carteira.


Como organizar nossa carteira de ações?


Agora você já sabe quais são os tipos que utilizo para classificar as ações, mas gostaria de fazer mais algumas pontuações antes de terminarmos:


1 – Perceba que os de dividendos não tem perspectiva de alta nos preços, apenas de recebimento de rendimentos; das de crescimento esperamos subida nos preços para os próximos anos à medida que o mercado precifique a realidade do negócio; e, por fim, esperamos uma subida de preços bem grande das de especulação, à medida que o mercado corrija a precificação errada.


2 – Uma ação pode transitar entre os tipos, uma ação comprada para especulação pode virar uma ação de crescimento, à medida que os administradores conseguirem melhorar o negócio da empresa; ou uma empresa de crescimento pode atingir uma posição vantajosa de mercado e começar a pagar bons dividendos; isso implica que nosso acompanhamento do negócio da empresa é importante.


3 – Não adianta montar a carteira e esperar pelo longo prazo, é preciso acompanhar trimestralmente, semestralmente ou anualmente, tanto a composição depois das oscilações de preços, como as perspectiva dos negócios das empresas; reavaliando as decisões tomadas, negociando para reequilibrar a composição ou entrar e sair de ações de acordo com as mudanças que tiverem acontecido.


É isso, por fim, gostaria de te convidar para ler meu livro sobre investimentos no mercado financeiro brasileiro. Clique na imagem abaixo para conhece-lo.



Muito obrigado por ler meu texto, um abraço e boa sorte!

106 visualizações
 

©2018 by Fred Pereira. Proudly created with Wix.com