Buscar
  • fredericopereira191

O Cisne Negro mais aguardado de todos os tempos


Um cisne negro, muito diferente de um Cisne Negro.

Se você acompanha mercado financeiro, tenho certeza que já ouviu falar do Cisne Negro mais aguardado de todos os tempos, que é a próxima grande crise financeira internacional.


Isso acontece por dois motivos:


1 - desde que Taleb apresentou o conceito, o que não falta é gente tentando prever o próximo, a despeito da ideia ser fundamentada justamente na imprevisibilidade dos mesmos.


2 - todos os indicadores que anteciparam as últimas recessões da economia americana, que são justamente os que acontecem quando ela está "super aquecida", estão sendo dados durante os últimos meses.


Ou seja, já é dado como certo a entrada em recessão da maior economia do mundo, o que, teoricamente, trará a próxima grande crise financeira mundial, a questão é que isso vai contra as perspectivas positivas para a economia brasileira e, consequentemente, as ações na bolsa de valores.


Então sempre que falo disso, as pessoas me perguntam sobre o cenário no exterior e a próxima grave crise internacional. Bom, precisamos conversar sobre isso, pode ser que esse temor agora seja um pouco exagerado.


1 - Um "Cisne Negro" pode virar um "Cisne Cinza"


Uma crise internacional grave, que prejudicaria bastante o cenário para as ações da bolsa no Brasil, viria com um Cisne Negro, uma queda abrupta das bolsas mundo afora, que faria com que os investidores corressem pra ativos de segurança.


Acontece que um evento desse é imprevisível e inesperado, muito ao contrário do que acontece hoje, quando quase todos os especialistas e jornalistas do mercado financeiro apontam o tal "Cisne Negro", a tal recessão, etc.


Um Cisne Negro acontece quando ninguém está esperando, quando todo mundo está na euforia para comprar ativos de risco, todo mundo achando que o futuro é lindo e maravilhoso.


Quando o Cisne é esperado, ele fica Cinza. As decisões tomadas sobre a expectativa de um cenário ruim vai precificando essa perspectiva, o que faz com que os preços convirjam para preços mais realistas ou pelo menos parem de subir, evitando a euforia. Dá uma olhada no gráfico diário do S&P500 dos últimos 12 meses.


Gráfico diário do futuro do S&P500 com últimos 12 meses

Praticamente o mesmo preço de 12 meses atrás, com uma queda de uns 30% no meio do caminho, já refletindo a expectativa por uma correção maior dos preços das ações, ou seja, esse "Cisne Negro" já está clareando ... kkkkk


Na verdade, a recessão da economia norte americana pode vir e não necessariamente trazer uma queda abrupta dos preços, mas apenas preços de lado ou caindo ao longo de anos, que parece ser o cenário cada vez mais provável.


2 - Pode até cair, mas cai atirando


Jerome Powell: atual presidente do Banco Central dos EUA (FED)

Muita gente alega que o que tem sustentado a economia internacional são os constantes programas de estímulo que os bancos centrais dos principais países vem fazendo na última década.


É cada vez mais discutido que isso virou uma tendência e que isso vem corroendo o valor do dinheiro, se você acompanha mercado financeiro, já ouviu falar disso. O principal argumento de quem espera a grande crise financeira internacional é de que uma hora essa festa acaba.


Ou seja, uma hora os bancos centrais não terão condições de continuar esses estímulos e a economia e os mercados vão cair em uma espiral negativa. Eu também acho que uma hora precisaremos ver uma correção, mas acho que os bancos centrais vão cair atirando e, mais importante, ainda tem muito munição.


A capacidade dos bancos centrais para gerar liquidez é bem ilustrada pelos japoneses, eles executam o maior experimentam de injeção de liquidez atualmente, cerca de 43% da dívida pública do país já é detida pelo BoJ (Banco Central do Japão). Na Europa esse número ainda está chegando aos 33% (afirmações do Stulba), nos EUA ainda não chegou a 20%.


Perceba, para chegar no nível do Japão, o FED ainda poderia dobrar seus estímulos ou fazer até mais, já que as taxas de juros nos EUA ainda nem estão negativas. Pra não me alongar muito, resumindo, se o que sustenta as bolsas é estímulo dos bancos centrais, ainda veremos muito disso, não dá nem para imaginar o tanto de munição que esse pessoal pode ter.


3 - Os preços das ações no Brasil podem resistir à pressões internacionais?


Óbvio que a um Cisne Negro não! Mas a um processo de "acomodação", como o que discutimos aqui, poderiam os preços das ações brasileiras mostrar alguma força devido a dinâmica interna positiva? Bem, parece que isso já está ocorrendo.


Gráfico diário do Ibovespa nos últimos 12 meses

Nos últimos 12 meses nós já vimos uma força das ações no Brasil, à medida que as notícias vão confirmando um cenário mais promissor. Isso já é um bom sinal, que soma-se à queda de juros já bastante comentada aqui neste blog.


Esse ponto se reforça se você der uma olhada no gráfico de ações dos países emergentes, que vem sofrendo, atingindo a parte de baixa do canal de alta.


Canal de alta das ações dos países emergentes.

Lembre-se que o Brasil é um país emergente, então nossas ações tem subido a despeito do fluxo vendedor nas ações desses países. E se esse fluxo mudar? Dê uma olhada no gráfico a seguir.


Grafico dos países emergentes da Ásia

Perceba que apesar dos recentes dados ruins das economias emergentes, nesses meses de apreensão com a força da economia internacional, as ações se recusam a fazer novo fundo. Se todas as notícias são negativas e os ativos não caem? Pois é! Vamos adiante, o que essa sequência de notícia negativa para emergentes pode sinalizar? Veja o gráfico a seguir.


Como os momentos de exportação menor coincidem com os fundos no gráfico de preço dos mercados emergentes.

Ou seja, estamos em um cenário de pressão para emergentes exportadores, momentos em que suas ações costumam fazer fundo, mas nossas ações estão renovando máximas. Num cenário de estabilidade ou acomodação, de melhora do ambiente para emergentes, o que pode acontecer com as ações brasileiras? Subir bem!


O Cisne Negro mais aguardado de todos os tempos


Enfim, a maior desculpa ou dúvida para comprar ações brasileiras é possível cenário de Cisne Negro nos mercados internacionais, mas isso pode fazer pouco sentido.


O objetivo desse texto foi mostrar que isso não é desculpa para ficar negativo com ativos brasileiros, pelo contrário, nós já estamos passando por pressões e os ativos tem se comportado muito bem.


Num cenário de "acomodação", que é cada vez mais provável, as ações brasileiras devem reagir muito bem a dinâmica positiva da economia local. Isso é o que eu espero.


Muito obrigado por ler meu texto e boa sorte!

30 visualizações
 

©2018 by Fred Pereira. Proudly created with Wix.com