Buscar
  • fredericopereira191

Por que tenho ações da Oi?


Melhor imagem que achei pesquisando por "Oi Fibra"... kkkk

Já tem uns 4 meses que eu falei pela primeira vez das ações da Oi lá no grupo do Whatsapp, quando sugeri que a compra seria uma das melhores especulações possíveis. De lá pra cá algumas coisas aconteceram, o cenário mudou para melhor, o preço caiu, então acho que, tanto para registro quanto para melhor entendimento, vale a pena explicar: Por que tenho ações da Oi?


Quem me acompanha sabe que separo as ações por categorias (dividendos, crescimento e especulação), tem um artigo aqui no blog que explica isso (clique aqui para ler), então começamos mostrando porque Oi se encaixa em especulação. Em seguida atualizamos os possíveis cenários e, literalmente, fazemos alguns chutes quando ao preço de venda.


Antes de começar, deixa eu avisar logo: ISSO AQUI NÃO É UMA RECOMENDAÇÃO! No mercado é cada um por si, se você ganhar dinheiro, mérito seu; se você perder dinheiro, problema seu! Leia abaixo, tire suas próprias conclusões e tome as decisões sabendo que os resultados são de sua inteira responsabilidade!



OIBR3: hoje, a melhor ação de especulação na B3


Uma ação de especulação tem uma ou mais das seguintes características:

· P/VP (preco/valorpatrimonial) muito baixo, abaixo de 1 já vale a análise mais de perto;

· P/L (preço/lucro) muito baixo, abaixo de 10 já vale a análise mais de perto;

· Caixa líquido maior ou próximo ao valor de mercado;

· Se a empresa tiver preço baixo (critérios anteriores) e for rentável, ROE positivo e “estável", me interesso muito;

· Se tiver uma “história" que justifique as negociações depreciadas, algo que faça sentido e, principalmente, que implique em uma avaliação errada da maioria, melhor ainda;

· Se for uma ação que grandes fundos não tem acesso por conta da liquidez, melhor, pois pode haver mais valorização na subida;


Enfim, algo levou a empresa a ser negociada com um desconto grande, foi justo; mas mais importante, existe grande probabilidade de que isso tenha passado ou o cenário da empresa mudado, o que faz com que esperemos que o preço volte a negociar em níveis "normais".


No caso da Oi, o P/VP de 0,21 é um escândalo, reflete os problemas que a empresa enfrentou, mas ignora os ativos que a empresa tem e, agora, o que a empresa já vem fazendo para resolver os problemas e voltar a gerar dinheiro.


A história da empresa também é ímpar, depois de mais de uma década sendo "saqueada", os credores assumiram a empresa na recuperação judicial, ou seja, quem jogou a empresa na situação em que ela está, foi expulso, agora novos e melhores acionistas trabalham para recuperar o dinheiro que perderam emprestando dinheiro pra empresa. Isso implica em pessoas totalmente diferentes no controle, isso é muito importante em um negócio.


Tem mais nessa história, mesmo com todos os problemas herdados das administrações anteriores, sob os quais voltaremos à frente, a empresa tem ativos que são essenciais para a infraestrutura de Internet do Brasil, tão relevantes que mantiveram a empresa de pé e lhe dão condições de voltar a ter resultados positivos no futuro, o que levaria a ação da empresa a negociar pelo menos ao seu valor patrimonial.


Em resumo, a Oi negocia a 0,20 do valor patrimonial por motivos amplamente conhecidos, problemas graves, mas o ponto da mudança chegou, como veremos à frente, o que aumenta bastante a probabilidade dela voltar a negociar pelo seu valor patrimonial, pelo menos, o que implica na multiplicação do preço por 5.


A Oi hoje


Ex-presidente da Tim Brasil, Rodrigo Abreu, assumiu a Oi

Quando avisei lá no grupo sobre as ações da Oi, a expectativa mais clara era que a empresa poderia ser comprada com aprovação da PLC 79, já que alguns dos ativos são essenciais para a Internet no Brasil, mas os novos acionistas foram atrás de executivos que trouxessem uma visão de recuperação da companhia, trazendo logo um executivo muito respeitado no setor, que já foi presidente da Tim, o Rodrigo Abreu.


Antes da empresa em si, lembremos de uma coisa, executivos "de primeira" são pessoas que escolhem para onde querem ir e, por conta do conhecimento que tem do setor, não costumam entrar em "barco afundando", essas pessoas escolhem locais onde a probabilidade de crescimento financeiro e/ou profissional seja alta. O fato da Oi estar atraindo essas pessoas, é um bom sinal sobre a situação atual.


Essa semana o líder desse processo, o Rodrigo Abreu, começou a conversar com o mercado depois de apresentar o plano de negócios para os funcionários da empresa. A ideia é que a Oi vire uma empresa focada na Fibra, na qual já é líder; sendo mais específico, a Oi será a grande fornecedora de rede de fibra para a Internet (4g, 4,5g e 5g), pois é a única que tem rede de fibra (que chega nas antenas), ou seja, as outras operadoras precisarão alugar a rede de fibra da Oi. Isso é o que vai fazer com que a Oi gere resultados positivos.


Mas nem tudo são flores, pelo contrário, ainda tem bastante espinho nesse jardim. A empresa ainda precisa resolver o problema da dívida muito elevada e garantir o dinheiro necessário para o plano de investimentos, que é o que ainda machuca o preço da ação. Bom, isso não estava tão claro antes, mas agora começa a caminhar muito bem:


- a venda da Unitel (esperada até final deste ano) e a reestruturação da dívida (que já vazou na mídia especializada) já indicam que o problema da dívida estará equacionado no primeiro semestre de 2020, se tudo der certo, serão R$ 8 bilhões em caixa, afastando o "fantasma" de curto prazo;

- venda da parte móvel e dos imóveis deve sair durante o ano de 2020, aliviando ainda mais a situação financeira e ajudando a preparar a empresa para o leilão do 5g em 2021 (previsão realista);


Com isso em vista, a empresa deve sair da Recuperação Judicial ainda em 2020 e gerar caixa bilionário no final de 2021 ou começo de 2022. Momento em que se consolidaria a expectativa inicial neste texto de que a empresa negociasse pelo menos no valor patrimonial quando gerar resultados positivos. Ou seja, se o preço da cotação hoje é R$ 1,00 a cotação em 2022 pode ser de R$ 5,00 se tudo der certo.


Isso não inclui possível indenização pelos prejuízos bilionários que a empresa teve por ser obrigada a manter imóveis, orelhões e demais ativos podres das antigas estatais, algo que ainda será discutido judicialmente.


Por que tenho ações da Oi?


O leilão de 5g será decisivo para o futuro da internet no Brasil

Além, é claro, da possibilidade de multiplicar por 5 em alguns anos, o que pode acontecer em 2022, 2026 ou 2030, ainda vai ser um ganho interessante, no pior cenário ainda me daria mais de 15% ao ano, que é minha meta média anual para a carteira no longo prazo.


A Oi foi tão saqueada, tão deliberadamente explorada, que o normal seria que a empresa já tivesse quebrado! Isso não aconteceu por causa dos ativos, que são parte de uma infraestrutura absolutamente essencial para a Internet do país, algo simplesmente indispensável atualmente em qualquer país minimamente civilizado. Ou seja, a Oi fornece um "serviço público", um produto muito resiliente. Isso oferece alguma segurança.


Essa questão do produto é fundamental neste caso, toda a nossa vida, principalmente urbana, está se transformando rapidamente, entrando na era digital, a demanda por isso implica em grandes investimentos nesse setor no mundo inteiro, há uma corrida entre as grandes empresas para ser provedor de dados e serviços. Isso coloca a Oi em uma posição excelente.


O Brasil é um dos maiores mercados do mundo para essas empresas e está vivendo um período de governo que prega o liberalismo na economia, que está buscando atrair investimentos e aumentar a competição nos negócios, esses dois pontos implicam em atração das grandes empresas do setor. Quando essas empresas vem pro país, e também as que já estão aqui, elas precisam analisar se constroem tudo do zero ou se tem ativos subavaliados para comprar no país. Uma empresa como a Oi, negociando muito abaixo do valor patrimonial, é uma compra óbvia..


Isso quer dizer que a empresa pode ser adquirida ou entrar em uma fusão nos próximos anos, mesmo não sendo interesse imediato dos atuais acionistas, o que deve acontecer por um preço muito melhor do que a atual cotação. O banco BTG Pactual, que já publicou análise nesse sentido, atribui o preço de R$ 3,50 por ação para eventual aquisição.


Ora, se a expectativa realista para o leilão do 5g, que é o grande evento de investimento desse setor, é para 2021, uma movimentação dos players para prepararem para isso deve ser esperada para antes do leilão, e eventual movimentação, se não ocorrer antes, acontece logo depois quando as empresas já tiverem garantido suas concessões e o cenário do setor esteja bastante claro.


Acredito que o atual governo fará de tudo para que esse leilão do 5g seja realizado antes da próxima eleição, então eventual movimento para aquisição ou fusão da Oi deve ocorrer até 2021, se ocorrer. O que se acontecer a R$ 3,00 por ação, ou perto disso, ainda me daria retornos bem acima da minha expectativa.


Enfim, espero revisitar essa ideia nos próximos anos e poder escrever para você que a Oi me deu um retorno acima do esperado, acho que há grandes chances que isso aconteça.


Muito obrigado por ler meu texto e boa sorte!



40 visualizações
 

©2018 by Fred Pereira. Proudly created with Wix.com