Buscar
  • fredericopereira191

Reflexões da semana no mercado financeiro - 28/07/2019


Gráfico semanal do Ibovespa

Sem delongas, vamos refletir sobre os fatos que marcaram a última semana e que são importantes para a próxima.


O objetivo é refletir sobre decisões para nossas carteiras de investimentos, tanto para os próximos 6 meses ou mais, quanto para oportunidades de curtíssimo prazo.



RUMO AOS 100 MIL DE NOVO?


Depois de 8 pregões de lado, finalmente o Índice se mexeu na direção esperada, continuando a correção que esperávamos, mas de forma bem tímida, refletindo as expectativas por estímulos financeiros à economia, tanto aqui como lá fora.


Na verdade, não seria nenhuma surpresa se o IBOV negociasse abaixo dos 100 mil pontos, algo perto dos 98 mil, pelo menos, antes de retomar a tendência de alta, seria até saudável.


Se olharmos a tendência de alta desde o princípio e assumirmos que seguirá respeitando o canal de alta, podemos até esperar algo próximo dos 95 mil, como podemos ver no gráfico abaixo.


Gráfico diário do IBOV

Para o investidor, não vale muito a pena ficar olhando para a correção, se você tem tempo de estudar e tentar aproveitar essas correções, pode ser uma boa ideia, mas se seu prazo é longo e você não tem tempo, melhor deixar rolar e continuar procurando ações baratas, porque independente da correção do IBOV, tem ações baratas que continuaram subindo.


Para o especulador, fique de olho nas vendas, lembre-se que as correções tendem a ser mais rápidas, então podem ser oportunidades melhores do que o movimento principal.


POR QUANTO TEMPO O FED SEGURA O S&P500?


Powell: presidente do FED, o banco central norte americano

Essa semana tivemos mais uma prova de que os bancos centrais vão mantendo as bolsas de valores em alta, ou que os mercados estão operando muito na perspectiva de quedas nos juros nos próximos meses.


O IBOV aqui vinha se sustentando acima dos 103 mil pontos, até que a fala menos "dovish" de Draghi na Europa levou todos os índices a queda rápida, foram mais de 1.000 pontos em 15 minutos.


A atenção maior, naturalmente, se volta para os próximos passos de Jerome Powell nos EUA, eles ainda tem um bom espaço de queda nos juros e vem sofrendo forte pressão de Donald Trump.


CIEL3: encontrou o fundo do poço?


A divulgação do resultado do segundo trimestre de Cielo parece, só isso, o fundo do poço para a ação, parece que a empresa encontrou um ponto de inflexão, reconheceu que os lucros serão menores e conseguiu uma vitória na briga pelo "share". O mercado reagiu a isso comprando, vide o gráfico.


Gráfico diário de CIEL3

Difícil dizer se é o fundo do poço, essa briga ainda vai longe, apesar de Cielo ser uma das que tem bastante capital pra brigar. Se eles começarem a vencer, o preço deve começar a melhorar desses níveis, as médias se cruzarem para cima e a região dos R$ 6,50 um fundo. Vale a aposta? Só tem um jeito de saber: fazendo!


Vale a pena? É preciso entender se a empresa vai conseguir sustentar sua participação de mercado e implementar novas formas de monetizar, parece valer a pena se você pensar que ele são mais capitalizados que os concorrentes menores e que uma hora os controladores podem querer fazer uma oferta pra fechar o capital.


ABEV3: o povo voltou a beber cerveja


Gráfico diário de ABEV3

Essa semana os acionistas de Ambev tiveram uma surpresa boa com as ações da empresa subindo 9% depois do resultado, que veio com dados de aumento na volume de cerveja vendido e, mais importante, números que indicam que a empresa vai concorrer nas marcas "premium".


Não é que o povo tenha voltado a beber... kkk... era a ação que vinha mal a muito tempo. Nos últimos 12 meses a ABEV3 vinha muito mal em comparação com o Ibovespa, então esse pequeno sinal de melhora fez com que a ação se valorizasse rapidamente.


Se alguém estava esperando a ação "acordar" para montar uma posição comprada, essa semana pareceu ser um bom momento.


MEAL3: uma miscelânea de restaurantes por dar certo?


Gráfico diário de MEAL3

No último pregão da semana os acionistas da IMC (International Meal Company) tiveram uma grata surpresa, as ações da empresa subiram forte na bolsa, como você pode ver no gráfico.


A subida mais forte (8%) aconteceu depois do anúncio da fusão com a MultiQRS, que tem as franquias de Pizza Hut e KFC. Isso cria um grupo que também controla os restaurantes Frango Assado e Viena. Ou seja, uma miscelânea de restaurante, será que vale a pena?


Bom, isso só o tempo vai dizer, pois eles precisarão entregar melhoras significativas das supostas sinergias que são criadas nesse tipo de negócio, pode acontecer, mas pode não acontecer também.


Mas outra coisa me incomoda mais nesse preço, a subida que vem desde o dia 10 de junho. A empresa vinha largada na bolsa, depois começa a subir e em apenas um mês já tinha valorizado quase 30% sem nenhuma notícia, sem absolutamente nada relevante que justificasse isso, não parece que alguém já sabia do acordo e já estava comprando? Estranho isso.


Eu prefiro ficar de fora!


Conclusão


Começo a semana querendo vender na segunda. A não ser que tenhamos notícias muito positivas vindo de fora ou da equipe econômica, coisas realmente relevantes que façam o mercado subir, a tendência é mesmo de queda, essa é minha expectativa . correção, aproveite para comprar. (5ª semana desse parágrafo, já caiu um pouco, mas acho que vai mais)


Entre no grupo do Whatsapp (98 98785-2325) se quiser aprender sobre investimentos.



Uma ótima semana para você, muito obrigado por ler meu texto e boa sorte!



43 visualizações
 

©2018 by Fred Pereira. Proudly created with Wix.com